A profissão Hoteleira: um pouco de história

Cambuí entre as 10 cidades mais hospitaleiras do Brasil em 2018
30/10/2018
Dia da Consciência Negra
20/11/2018
Exibir tudo

Prazer em servir e receber o cliente. Paixão pelo que faz. Converse com um hoteleiro e certamente você terá estas respostas se perguntar sobre a profissão que escolheu. De fato, estas respostas remetem sim ao ofício hoteleiro, mas está longe de ser só isso. Há muito mais a dizer sobre essa ocupação milenar. No Dia do Hoteleiro, vamos contar um pouquinho desta profissão para, claro, homenagear estes  profissionais.

O termo hostellum começou a ser utilizado para designar palacetes onde reis e nobres se hospedavam na época do Império Romano. Porém, os primeiros registros de hospedagens no mundo vêm do século VI a.C., com comerciantes que ficavam em casas ou quartos de outras pessoas quando viajavam entre a Europa e o Oriente.

A partir de 1407, a França passou a exigir mais segurança e registro dos hóspedes. Em 1561, a cobrança de tarifas foi regulamentada. De 1750 a 1820, na Inglaterra, serviços como limpeza e alimentação passaram a ser vistos como atrativos para novas hospedagens.

Em 1870, César Ritz investiu no banheiro privativo, na uniformização dos colaboradores e construiu um empreendimento em Paris. O velho continente viu surgir as primeiras instalações que, no futuro, seriam aprimoradas e chamadas de hotéis.

No Brasil, a hotelaria nasceu da mesma forma que na Europa, por iniciativa dos portugueses. Ainda que em solo brasileiro, pessoas passaram a receber viajantes em suas próprias casas. Por sua vez, colégios e mosteiros como o Mosteiro de São Bento, no Rio de Janeiro, recebiam viajantes ilustres no período colonial.

No Rio, o primeiro hotel de classe internacional foi inaugurado em 1816 pelo francês Louis Pharoux sob fortes influências europeias, é claro. E nem é preciso dizer que o grande marco da hotelaria carioca veio com a inauguração de dois hotéis famosos e com prestígio que perdura até hoje: Hotel Glória, em 1922, e, no ano seguinte, o Copacabana Palace, construído pela família Guinle e desenhado pelo arquiteto Joseph Gire. Falando em família, durante muitos anos as administrações hoteleiras eram majoritariamente familiares. Hoje, o mercado hoteleiro desfruta de grande expansão. O parque hoteleiro nacional possui hoje aproximadamente 25 mil meios de hospedagem e, deste universo, 20 mil são hotéis e pousadas. Segundo dados da Rais (Relação Anual de Informações Sociais), do Ministério do Trabalho, existem cerca de 38 mil profissionais de hotelaria trabalhando diariamente (e arduamente) nos hotéis espalhados pelo país. Cada um deles certamente tem uma motivação pessoal ou interesses genuínos diferentes pela atividade

Desde as primeiras hospedarias até os hotéis mais sofisticados, um ponto em comum, que vai além das razões econômicas, permeou o desenvolvimento e a consolidação do mercado hoteleiro no Brasil: a primazia pelo serviço de qualidade e, de qualidade, o Grupo Ferraz entende muito bem.

Há 40 anos, o hotel Zé Maria abria suas portas na pequena cidade do Sul de Minas. Hoje, é um Hotel de categoria econômica reconhecido pela qualidade e integrante do Grupo Ferraz – que também contempla o Hotel Ferraz e Zé Maria de Pouso Alegre!  O sucesso certamente resulta da prestação de um serviço de qualidade e paixão pela hotelaria. “O nosso slogan é verdadeiro: Hospedamos mais porque amamos o que fazemos”, comenta Rosana Ferraz – Diretora do Grupo Ferraz.

*Informações do Guia do Estudante da Editora Abril

Precisa de ajuda?